domingo, 10 de junho de 2012

ZONA PROIBIDA DO SER


“Esse est percipi” - Berkeley

Um punhado de extratos pra se comer das mãos

- Olha, minha vida bela como coisa acumulada!
- Olha, minhas palavras forjadas por bem menos que a carpintaria!

... Eu existo.

Mas basta um espelho para escarnecer o mundo-dentro.
Pequeno-mundo, a verdade se deita ao monstro do nada.

Debaixo do nome
A jaula e o silêncio.

2 comentários:

Daniela Delias disse...

Poeta imensa...

;)

Bípede Falante disse...

Que impacto!
Não sei se ganhei um beijo ou uma bofetada.

Da qualquer forma, algo ganhei :)