quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

geografia dos ossos


estalidos. estrondos. fogo, fogo! - entro agora na casa da poema.
acho que foi aos dezesseis anos que me apaixonei pela primeira vez por portugal. paixão a sério mesmo. de querer escrever algarve com as próprias veias e brigar com vizinhos que fizessem piada alentejana.
bebi vinhos. chorei um tejo. montei e desmontei montanhas de fados.
repeti uma milharada de vezes que só os portugueses sabem sentir bem. que dividimos a alma.
e ainda chistes como se eu não falasse português não sentiria tanta saudade - como do não-tido portugal.
ouvi e ouvi e ouvi um chiado no s. comi esse sotaque que é um lugar.
uma nonada de poemas.
depois me apaixonei de novo. quando vi cá nesse suporte o doudo, o doudo! - o nuno, ó!
um doudo com sonho lindo e real - a poesia, a performance, a música. e eis a arte.
a paixão é um amor é uma paixão e claro traz o seu corpus pulsante - douda correria.
& rá que enfim chego a este lugar carregado de saudades e sonhos
uma paixão me leva a outra e então somos um só atlántico.
junto poemas que só poderiam ter sido escritos para esta douda, ó!
junto poemas inventivos e combatentes o suficiente para garrar o ícone - douda correria
e cá estou em poesia pura - no dia 03 com uma teresa, ó do nome mais lindo
uma teresa e um nuno que também sou eu
que me encarnam e nessa noite são mais eu do que eu.
carregam a minha voz. são eles a voz - geografia dos ossos
e ainda um hélder ventura que é a imagem da minha letra - signo desenho chispa
ele é a minha imagem - hão-de-ver, hão-de-ver! é logo e já.
vintedois poemas em dois blocos de invenção & combate - poema
o que mais? ora, um poema de cada capítulo:
[1.]
domingo, casamento em niterói
meu benzinho desce às escadas pra sala de jantar.
dedos cansados, lhe digo querido não precisa, não precisa.
mas ele vai fazer soar os talheres.

[2.]
notícia de jornal:
os peixes não se adaptaram à barragem
**
aindamais? aindamais? que mais quereria?
ora, um cem-mil-vezes o infinito: gracias douda correria!
***

e pra quem estiver em lisboa, é isto:

geografia dos ossos
nina rizzi 
capa e ilustrações de Hélder Ventura
Douda Correria #35
lido e apresentado por Teresa Coutinho e Nuno Moura 
dia 3 de março às 19h30 
Bar Irreal | Rua do Poço dos Negros, 59/  Lisboa 

[atualizado em 04.03.16] Leia outros poemas e veja vídeos do lançamento aqui!: https://doudacorreriablog.wordpress.com/2016/02/24/geografia-dos-ossos-nina-rizzi/

>> e pra quem não está em Portugal e deseja adquirir o livro é so entrar em contato com o Nuno Moura/ Douda Correria: 
miasoave@sapo.pt
https://www.facebook.com/douda.correria.5?pnref=story


0 comentários: