quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

PEPERONI NÃO É PROVOLONE OU R.I.P. ONTEM FOI UM PÉSSIMO DIA


Um homem, 2012.

Ah, eu tinha os cabelos tão lindos quando morri
cada fibra dourada cintilava o encontro com as alturas.
Um homem colocava as sete árvores de Heine
à minha porta, deixava algumas moedas como pagamento
para o táxi e acenava seu melhor sorriso amarelo
da cigarrilha: tudo bem se for eu também um enemigo,
há rumores sobre seu nome, a Sheherazade de Korsakóv.

Então, certo nome de origem assíria deixou de significar
'morada' ou um nome hebraico como ‘enviado pelo absoluto’;
caminhar alguém não pôde mais ser a imagem fidedigna
da ternura, senão essa coisa besta, deus do céu, algo como um
verso "a menininha que é batida e pisada e nunca sai da cozinha".

Foi inventado o verbo desencanto. Mas és fascinante, Teodora.
***


Um experimento Plath, naquele modo de estar retirando de si coisas como num jogo de armar que não armam porque o sentido foi previamente dispensado do lugar usual ou do atalho (uau), através do som que "forma sentido", nem o sentido se forma - nem o som vem sugerir o que está por baixo de detrás das imagens (em seus poemas), invertidas no espelho da mente que pode fazer jogos (claro), mas só até um certo ponto de - como na "liga" de um doce japonês - que se se experimenta com um dedo na boca: "oh, está no ponto" etc... Um experimento Sylvia Plath pessoal demais [como ela sempre foi, aliás - fazendo, em consequência, o Ted Hughes sofrer, mais do que ninguém, com isso, em face das sucessivas ondas dos futuros "plathistas", ou "plathólatras" etc]... até porque no poema -como em quase toda a Plath - ressoa, igualmente, aquela plácida e velada esperança de que as imagens em "código" biográfico possam se dilatar para além do relato íntimo colocado em versos sem a mediação (necessária), do som também formando sentido [para lembrar a - ainda útil - lição de Mallarmé]... (J. Costa Brito)

"Ocorre, hoje, uma impressionante expansão das narrativas no cerne da própria existência. Antes mesmo de existir como evento, a ação já se apresenta como narrativa, como ocorre nos reality show, em que as pessoas, antes de agir, representam ou narram a ação que lhes cabe. Ocorre também na multidão que fala pelos blogs e pelas redes sociais, ou se monitoram pelos celulares, de modo que a ação ou a conversa é sempre exibição/narração da conversa. É como se o mundo inteiro fosse virtualidade narrativa antes de ser existência particular, e principalmente como se todo mundo fosse interessante o bastante para ser visto/lido. Esse é um dos pontos não negligenciáveis que parecem retirar a prioridade ou a exclusividade da narração do narrador literário. É um problema basicamente de inflação simbólica." (Álcir Pécora)

1 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

aqui não tem de peperone, faz muitos anos que não como pizza de peperone, desde meus 8 anos de idade.